Voltar à página inicial
Youtube Facebook Twitter Orkut
Página Inicial > boletim > Como jejuar?

Como jejuar?

15, janeiro, 2011

Entenda melhor sobre jejum e oração e vá ao “Reze Por Mim” deixar seus pedidos de oração.

A oração e o jejum representam, em certo sentido, dois pilares da nossa fé.

O jejum constitui um dos princípios fundamentais da vida cristã; ele torna o devoto capaz de viver de acordo com a vontade de Deus; em todas as circunstâncias. Mediante a prática do jejum, a vontade de Deus poderá ser reconhecida mais facilmente, e raramente será perdida de vista. Como a respiração é função fundamental da vida física, assim o jejum e a oração representam as funções fundamentais da vida espiritual.

O pão é o alimento fundamental do povo de Deus e, ao mesmo tempo simboliza a vida. A água é insubstituível em nossa vida; ela simboliza a purificação espiritual.

O jejum alimenta a oração e o impulso para Deus, dando a paz interior, pondo o corpo em harmonia com a alma.

Quando devemos jejuar, por obrigação?

Na Quarta-feira de cinzas, abertura da Quaresma

Na Sexta-feira Santa, dia da morte de Nosso Senhor.

No entanto, todos os católicos devem ter a mortificação e o jejum presentes em suas vidas ao longo do ano, principalmente durante o Advento, a Quaresma e nas Quatro Têmporas, tendo sempre o espírito mortificado, fugindo do excesso de conforto e prazeres e, na medida do possível, oferecendo alguns sacrifícios a Deus, seja no comer, no beber, nas diversões (televisão principal­men­te), nos desconfortos que a vida oferece (calor, trabalho, etc.), sabendo suportar os outros, tendo paciência em tudo.

Assim sendo, mesmo não sendo obrigatório, continua recomendado o jejum nas Quartas e Sextas da Quaresma e do Advento, guardando-se sempre o espírito pronto para as pequenas mortificações também nos demais dias.

Quem deve jejuar?

As pessoas maiores de 21 anos, nos dias de jejum obrigatório. Mas é evidente que os adolescentes podem muito bem oferecer esse sacrifício sem prejuízo para a saúde.

Quanto às crianças menores, mesmo alimentando-se bem, devem ser orientadas no sentido de oferecer pequenos sacrifícios, e acompanhar a frugalidade das refeições.

As pessoas doentes podem ser dispensadas.

As pessoas com mais de sessenta anos não têm obrigação de jejuar, mas podem fazê-lo se não houver perigo para a saúde.

Como jejuar nos dias de jejum obrigatório?

- Café da manhã mais simples que de hábito: uma xícara de café puro, um pedaço de pão, uma fruta.

- Almoço normal, mas sem carne (peixe é permitido), sem doces e sobremesas mais apetitosas, sem bebidas alcoólicas ou refrigerantes.

- No jantar, um copo de leite ou um prato de sopa, um pedaço de pão, uma fruta.

- O ideal é jejuar a pão e água. (desde o amanhecer até o anoitecer; se tiver fome, comer pão; se tiver sede, tomar água. Preferivelmente,  não comer pão e tomar água ao mesmo tempo. Devemos comer pão calmamente em pequenas porções segurando na boca, mastigando bem de modo que se dissolva com a saliva. Para beber água é bom dar um tempo após comer pão. Também tomar a água calmamente como fez com o pão: segurar na boca um tempo para se misturar à saliva. (Diz-se que devemos “tomar” o pão e “mastigar” a água.) Durante o dia, pode-se tomar e comer todas as vezes que sentir fome ou sede.

São inúmeras as passagens das Sagradas Escrituras referentes ao jejum. Eis algumas:

- II Reis XII,16;  – Tobias XII,8;  – Daniel I, 6-16;  – S. Mateus IV,1;  – S. Mateus VI, 17;  – S. Mateus XVII,20;  – Atos XIV,22;  – II Coríntios VI,5

A Abstinência de carne

Dentro do mesmo espírito de mortificação, pede-nos a Santa Madre Igreja a mortificação de não comer carne às sextas-feiras, o ano todo, de modo a honrar e adorar a santa morte de Nosso Senhor. (ficam excluídas as sextas-feiras das grandes festas, conforme costume).

A abstinência ainda é praticada e, diferente do jejum, começa desde a adolescência, a partir dos quatorze anos.

Nas sextas-feiras do ano, e mais ainda durante os tempos de penitência, saibamos oferecer esse pequeno sacrifício a Nosso Senhor. Se vamos a um restaurante, peçamos peixe (muitos restaurantes ainda hoje servem pratos de peixe nas sextas-feiras).

O Jejum eucarístico

O jejum eucarístico é o fato de se comungar sem nenhum alimento comum no estômago, em honra à Santíssima Eucaristia.

O espírito do jejum eucarístico era o de só receber a Santa Comunhão como primeiro alimento do dia. Quando o Papa Pio XII modificou a disciplina do jejum eucarístico, devido à guerra, salientou que todos os que podiam deviam praticar esse jejum, chamado natural: só tomar alimento depois da comunhão. Mesmo hoje em dia, quem assiste à Santa Missa já pela manhã pode, muitas vezes, praticar esse jejum.

Apesar da lei eclesiástica em vigor determinar apenas uma hora antes da comunhão para o jejum eucarístico, todos os padres sérios pedem a seus fiéis que se esforcem para deixar três horas, visto que uma hora não chega a ser nem mesmo um sacrifício.

Caso as crianças ou pessoas debilitadas precisarem tomar algo antes da comunhão, com menos de três horas, procurem, ao menos, tomar apenas líquido, um copo de leite, por exemplo.

Porém, tendo se alimentado com menos de uma hora antes da hora da comunhão, não se deve, de modo algum, se aproximar da Sagrada Mesa.

O jejum, a abstinência e o confessionário.

Como o jejum e a abstinência fazem parte dos Mandamentos da Igreja, devemos nos empenhar para praticá-los por amor à Deus. Caso haja alguma negligência ou fraqueza da nossa vontade que nos leve a quebrar o santo jejum ou a abstinência, devemos nos arrepender por não termos obedecido ao que nos ordena nossa Santa Madre Igreja, confessando-nos por termos assim ofendido a Deus.

Nos casos de esquecimento, devemos substituir essa obra por outra equivalente, como fazer o jejum em outro dia, rezar um terço, etc.

É sempre bom lembrar que a água, somente, não quebra o jejum.

As pessoas inclinadas à mortificação e ao jejum não devem nunca determinar um aumento de penitência sem o consentimento explícito de algum sacerdote responsável. Pois o demônio usa, com freqüência, o excesso de penitência corporal para enfraquecer a alma.

Tudo fazer na obediência.

Fonte: Derradeiras Graças

Posts Relacionados:

Quero receber diariamente em meu e-mail
as novidades da Associação Apostolado do
Sagrado Coração de Jesus.

Categories: boletim Tags: , ,
  1. 15, janeiro, 2011 em 15:06 | #1

    Eu admiro muito estas tradições,mis não vou mentir nunca fiz jejum como é pra ser
    mais fiz quando era jovem.
    mais é muito inportante fazer,se Deus quizer eu farei.
    amém

  2. Diene Aparecida Março de Oliveira
    15, janeiro, 2011 em 16:05 | #2

    O jesum do corpo é muito importante para frearmos nossos instintos como corporal com espiritual. é necessário, pois Jesus sem merecer sofreu por nós para nos resgatar o que tínhamos perdido.

    O verdadeiro teste da nossa fé passa pelo convívio fraterno, em casa, no local de trabalho, em comunidade.
    Cristo se disfarça e esconde no rosto dos nossos irmãos de caminhada. A solidariedade do gesto concreto pelos mais necessitados é a marca do verdadeiro cristão.

  3. Diene Aparecida Março de Oliveira
    15, janeiro, 2011 em 16:09 | #3

    Jesus fala claramente no evangelho: O que fizerdes ao menor dos meus irmão é a mim que está fazendo,

    Alíngua mata muito mais que um instrumento material. Pois ali, que está o nosso relacionamento e o termômetro do grande amor que temos para com a Trindade. é a balança do meu amor que temos para com nossos irmãos.e Jesus.

  4. Diene Aparecida Março de Oliveira
    15, janeiro, 2011 em 16:11 | #4

    No mundo de hoje, milhares de pessoas pedem com a voz e com o olhar aquilo que Cristo eternamente pediu. A esmola do amor.

    Por isso a melhor mortificação é a mortificação da língua. Que ela fere e Mata.

  5. Lúcia Helena
    15, janeiro, 2011 em 19:48 | #5

    Excelente explicação, parabéns!!! Q o SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS nos abençõe!

  6. zuleide lopes fernandes
    17, janeiro, 2011 em 13:14 | #6

    Cada vez, me considero privilegiada pelos contatos mantidos diários com todos esses irmãos, que tanto me ensinam. Pela primeira vez aos 60 anos de idade, conheço como proceder na aplicação do jejum, até hoje me desconhecida e falha pois toda a vez que pretendia fazê-lo, quebrava. Obrigada por tudo. zuleide

  7. Almerinda Vilarinho de sousa Faustino
    18, janeiro, 2011 em 17:53 | #7

    Eu sei que é dever é muito valioso eu preciso ser bem estimulada pra isso pois tenho uma alimentação marcada na hora certa são 6 refeições diaria ó jejuo na quarta das cinzas e sexta santa mais muito obrigado pelo o estimulo.

Os comentários estão fechados.