Voltar à página inicial

Minha Oferta ao Sagrado Coração de Jesus

Facebook Youtube Instagram

Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Arrependimento dos pecados’

IMPRESSIONANTE! Veja a penitência de um rei arrependido de seus pecados.

7, março, 2018 Sem comentários
Mosteiro Beneditino em Cracóvia na Polônia.

Mosteiro Beneditino em Cracóvia na Polônia.


.
Numa noite de outono de 1804 um peregrino, humildemente vestido, batia à porta do convento beneditino de Ossiah.

.
F
ingiu-se mudo, por sinais pediu que o admitissem naquele mosteiro como criado.

Foi realmente recebido pelo santo abade Frencho e passou oito anos sem falar, desempenhando os mais humildes serviços e fazendo rigorosas penitências.

A hora da morte deu-se a conhecer aos monges, dizendo:

“Eu sou Baleslau, rei da Polônia, que entre outros grandes pecados cometi o de dar morte ao santo bispo de Cracóvia;

.
Estanislau, a quem eu mesmo assassinei junto ao altar, por ter ele censurado meus cruéis desmandos. O Papa Gregório VII excomungou-me.

.
Depois, arrependido de minhas culpas, fui a Roma em busca de perdão.

Lá me confessei e fui absolvido; e, para melhor expiar os meus enormes crimes, passei estes anos fazendo penitências.”

.
.
Fonte: Do livro TESOURO DE EXEMPLOS, Volume II – Editora Vozes Ltda. Petrópolis, RJ – 2ª. edição, 1960, p. 258.

.
*  *  *

.
botao-oferta-aascj

Entenda, o que é pecado mortal?

29, agosto, 2017 Sem comentários
Oração, a melhor arma contra o pecado!

Oração, a melhor arma contra o pecado!

.
O Catecismo da Igreja Católica define o pecado como:


Uma falta contra a razão, a verdade, a consciência reta;

É uma falta ao amor verdadeiro para com Deus e para com o próximo, por causa de um apego perverso a certos bens.


Fere a natureza do homem e ofende a solidariedade humana.


Foi definido como uma palavra, um ato ou um desejo contrário à lei eterna” (CIC 1849).

Resumidamente, o pecado é uma ação contrária ao amor de Deus.


Do mesmo modo que o homem é livre para amar e praticar a caridade, também é livre para desobedecer.


É sabido também que existe uma grande variedade de pecados e;

Apesar de todos serem uma ofensa a Deus, estão separados em diferentes graus.

A Sagrada Escritura traz várias listas e descrições.

Por exemplo, São Paulo na Carta aos Gálatas diz que:

 

“As obras da carne são manifestas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, feitiçaria, ódio, rixas, ciúmes, ira, discussões, discórdia, divisões, invejas, bebedeiras, orgias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos previno, como já vos preveni, os que tais coisas praticam não herdarão o Reino de Deus” (5,1 9-21)


O pecado, conforme sua gravidade, pode ser dividido em pecado mortal ou pecado venial.

Por pecado venial entende-se aquele ato que não separa o homem totalmente de Deus;

Mas que fere essa comunhão.

Já o pecado mortal, por sua vez, atenta gravemente contra o amor de Deus;

Desviando o ser humano de sua finalidade última e da bem-aventurança.

Ensina o Catecismo:

 

“O pecado mortal requer pleno conhecimento e pleno consentimento.

Pressupõe o conhecimento do caráter pecaminoso do ato, de sua oposição à lei de Deus.

Envolve também um consentimento suficientemente deliberado para ser uma escolha pessoal.

A ignorância afetada e o endurecimento do coração não diminuem, antes aumentam, o caráter voluntário do pecado.” (CIC 1859)


Isso significa que o pecado mortal só acontece quando o indivíduo comete um delito contra Deus;

Consciente desses três requisitos citados acima, não somente pela matéria grave.

Por exemplo, se uma pessoa – sem formação moral e intelectual adequada e sem condições de adquirí-la;

Pratica uma ação pecaminosa;

Ela pode ser isenta de culpa, pois se enquadra no caso da ignorância invencível.

Por outro lado, existe também a ignorância afetada;

Que é quando a pessoa tinha condições de conhecer a verdade, mas preferiu não conhecê-la.


Neste caso, o indivíduo peca gravemente.


Na prática, o que um pecado mortal pode fazer com a pessoa que o comete?

O mesmo Catecismo ensina que:

 

“O pecado mortal é uma possibilidade radical da liberdade humana, como o próprio amor.

Acarreta a perda da caridade e a privação da graça santificante, isto é, do estado de graça.

Se este estado não for recuperado mediante o arrependimento e o perdão de Deus;

Causa a exclusão do Reino de Cristo e a morte eterna no inferno;

Já que nossa liberdade tem o poder de fazer opções para sempre, sem regresso.

No entanto, mesmo podendo julgar que um ato é em si falta grave, devemos confiar o julgamento sobre as pessoas à justiça e à misericórdia de Deus.” (CIC 1861)

“O pecado cria uma propensão ao pecado;

Gera o vício pela repetição dos mesmos atos.

Disso resultam inclinações perversas que obscurecem a consciência e corrompem a avaliação concreta do bem e do mal.

Assim, o pecado tende a reproduzir-se e a reforçar-se, mas não consegue destruir o senso moral até a raiz.” (CIC 1865)


Mas o que dizer, então, dos pecados veniais? Eles são desprezíveis?

Não, pois um pecado mortal é gerado por uma multidão de pecados veniais que foram cometidos antes.


O pecado venial, embora pareça sem importância, é um passo que conduz ao abismo.


Um após o outro, leva a pessoa para o buraco, que é o rompimento da amizade com Deus.

O Catecismo cita Santo Agostinho para explicar melhor como se dá a ação dos pecados veniais:

 

“O homem não pode, enquanto está na carne, evitar todos os pecados, pelo menos os pecados leves.

Mas esses pecados que chamamos leves, não os consideres insignificantes, se os consideras insignificantes ao pesá-los, treme ao contá-los.

Um grande número de objetos leves faz uma grande massa;

Um grande número de gotas enche um rio; um grande número de grãos faz um montão.

Qual é então nossa esperança? Antes de tudo, a confissão…” (CIC 1863)


Portanto, para evitar o rompimento da amizade com Deus, ou seja, cometer um pecado grave;


É preciso combater os chamados pecados veniais, os quais são passos que se dão em direção ao abismo.


Nesse sentido, o sacramento da confissão é o remédio eficaz que pode refrear essa triste caminhada.

.
Fonte: padrepauloricardo.org

.
.
*  *  *

.

Inscreva todos os seus pedidos direto no livro de Missas.

Clique na imagem abaixo e veja como é fácil, você poderá pedir por todas as graças e bênçãos que precisar.

.
.
botao_05.
.

Perder a confiança? Jamais! Nosso Senhor oferece a graça do arrependimento e da conversão (Parte II)

19, abril, 2015 7 comentários

"Prometei-Lhe confessar-vos logo e nunca passar a noite tendo sobre a consciência um pecado mortal".

Continuação do post: Perder a confiança? Jamais!
Nosso Senhor oferece a graça do arrependimento e da conversão (Parte I)

Se alguma vez, nas lutas íntimas, vos sentirdes fraquejar na confiança,

Meditai as passagens do Evangelho que vos acabo de indicar.

Contemplai essa cruz ignominiosa, sobre a qual expira o vosso Deus. Olhai para a sua pobre cabeça coroada de espinhos, que tomba inerte sobre o peito. Considerai os olhos vítreos, a face lívida onde se coagula o sangue precioso.

Olhai para os pés e as mãos transpassadas, para o corpo malferido. Fixai sobretudo o coração amantíssimo que acaba de ser aberto pela lança do soldado; dele correram umas poucas gotas de água ensanguentada… Tudo vos deu! Como será possível desconfiar deste Salvador?

De vós, porém, espera Ele retribuição de afeto. Em nome do seu amor, em nome do seu martírio, em nome da sua morte, tomai a resolução de evitar doravante o pecado mortal.

A fraqueza é grande, bem sei, mas Ele vos ajudará. Apesar de toda boa vontade, tereis talvez quedas e reincidências no mal, mas o Senhor é misericordioso. Só pede que não vos deixeis adormecer no pecado, que luteis contra os maus hábitos.

Prometei-Lhe confessar-vos logo e nunca passar a noite tendo sobre a consciência um pecado mortal.

Felizes sereis, se mantiverdes corajosamente essa resolução! Jesus não terá derramado em vão, por vós, o seu Sangue bendito.

Tranquilizai-vos quanto às vossas íntimas disposições. Tereis assim o direito de encarar com serenidade o temeroso problema da predestinação; trareis sobre a fronte o sinal dos eleitos.

*   *   *

Fonte: retirado de “O Livro da Confiança” do Rev. Pe. Thomas de Saint-Laurent.

São Dimas — O que o “Bom Ladrão” tem a nos ensinar?

10, abril, 2015 5 comentários

As Três Cruzes (detalhe) – Vincenzo Foppa (séc. XV). Museus Diocesano de Milão (Itália).

Adalberto Ferreira da Cunha

Três condenados! No centro, o Inocente por excelência. Nascido inocente, passou a vida fazendo o bem. Por isto, O crucificaram.

À esquerda, um criminoso. Vivera como celerado. Condenado, não se arrependera da vida criminosa. Impenitente, padecia o seu suplício. Pior. Atacava insolentemente o Justo
por excelência.

À direita, outro malfeitor. Vivera também como celerado. Condenado, expiava seus crimes. Penitente, do alto de sua cruz, esquecido dos próprios sofrimentos, tomou a defesa do Inocente.

Essas são também as atitudes dos descendentes de Adão e Eva neste vale de lágrimas.

O pecado fora de Adão. O novo Adão expiava por todos. Maria, a nova Eva, estava junto à Cruz. Inocente desde a concepção, no nascimento e durante toda sua vida, intercedia ali por todos.

São Lucas descreve a cena. Fala o impenitente:

“Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo e a nós. Mas o outro, respondendo, repreendeu-o: ‘Ainda assim tu não temes a Deus, estando no mesmo suplício: e nós, na verdade por nossa culpa, porque recebemos o que merecem nossas obras; mas este, não fez mal algum”.

E dizia a Jesus: ‘Senhor, lembrai-vos de mim quando estiveres em teu reino’. E Jesus lhe disse: ‘Em verdade te digo, que hoje mesmo estarás comigo no paraíso’”. (Lc, 23, 39-43; destaques nossos)

A maravilhosa conversão do bom ladrão

São Dimas emerge assim na História. Dele nada se sabe ao certo. Piedosas revelações apontam um encontro seu com a Sagrada Família em fuga para o Egito.

Também há referências de que sua conversão se dera quando a sombra da Cruz de Nosso Senhor se projetou sobre ele. Ou ainda, que Nossa Senhora estando entre seu divino Filho e São Dimas, intercedera por ele.

Esquecido dos seus sofrimentos, advogou a inocência de Nosso Senhor. Reprovou a atitude blasfema de Gestas — nome do mau ladrão, segundo a tradição —, e a atitude dos Doutores da Lei, fariseus etc., expondo-se a maiores tormentos. Nada o deteve.

Cornélio a Lápide, o grande exegeta do século XVII, comenta: 

“Aprendamos com esta força, eficácia e rapidez da graça de Cristo, pela qual, a partir da própria cruz, Ele fez um homem santo, santíssimo. Foi maravilhosa a conversão de Santa Maria Madalena; maravilhosa a de São Paulo. Mas muito mais maravilhosa foi a do ladrão. Porque Santa Maria ouviu os ensinamentos e presenciou os milagres de Cristo.

E São Paulo sentiu em si o ataque celestial de Nosso Senhor. Mas o ladrão, na cruz, onde Cristo padecia a infamante morte atroz como criminoso, converteu-se para Ele por atos heroicos de fé, amor e devoção etc.” (Comentários ao Evangelho de São Lucas, ver. 42 § 2).(1)

“Da cátedra de sua Cruz, proclamou Cristo”

Vários santos e Padres da Igreja, citados por Cornélio a Lapide, descrevem o ato heroico de São Dimas: “São Cirilo repete com São Leão: ‘Que virtude o iluminou, oh ladrão? Quem lhe ensinou a amar o castigo quando estavas cravado na cruz? Ó luz imorredoura, que brilha nas trevas’”.
(id. ib. § 4)

“O abade Arnaldo afirma que o ladrão foi levado aos Céus e possui um trono acima de todos os anjos, querubins e serafins, acima até do destinado a Lúcifer.

“Stephen Binettus, em seu livro sobre o Bom Ladrão, o proclama como ‘o Arcanjo do Paraíso, o primogênito de Cristo crucificado, o mártir, apóstolo e pregador diante do mundo todo, o qual, da cátedra de sua cruz, proclamou Cristo diante de todo o mundo’. ‘Paulo’, diz ele, ‘pregou como um querubim, o ladrão do amor, como serafim’” (id. ib. § 8).

Prossegue Cornélio a Lapide, citando Santo Atanásio: “Ó excelência que és! Foste crucificado como ladrão, mas terminaste como um evangelista”. 

São João Crisóstomo qualifica-o de “um profeta que ensina e proclama a grandeza de Cristo”. E também como “advogado de Cristo, porque o defendeu face aos judeus como um advogado” [id. ib. § 12].

“Proclama São Dreux, ermitão: ‘Foste Pedro na cruz; e Pedro na casa de Caifás foi ladrão’, porque negou a Cristo, a quem confessou o ladrão na cruz diante do povo” (id. ib. § 13).

O criminoso arrependido conquista o Paraíso

Coloquemo-nos na ótica dos dois ladrões. Condenados, crucificados, assim como Jesus, aguardavam a morte. Porém, “até o fim, Jesus permanece como aquele sinal de contradição, anunciado profeticamente por Simeão.

Os dois malfeitores crucificados, um à sua direita e o outro à sua esquerda, lembram todos os que devem tomar partido por ou contra Jesus durante sua vida, uns escarnecendo-O e rejeitando-O, outros implorando com fé na salvação que ninguém, exceto Ele, pode lhes proporcionar.

Os dois malfeitores prenunciam assim os que no futuro terão os olhos postos no crucifixo: também eles deverão escolher, entre as orações e os insultos, sobretudo quando estiverem crucificados como Jesus, no cadinho do sofrimento e submetidos à lei da morte”.(2)

Um quis buscar alívio no ataque ao Justo e ser simpático aos seus algozes. Em seu desespero, procurava uma saída para seus males, como quem dissesse: “Médico, cura-te a ti mesmo e a nós” (S. Lucas, 4, 23).

Ou seja, o mau ladrão dizia: Usa apenas a misericórdia. Desce da cruz e nos salva, ó Cristo. Livra-nos da cruz e restaura-nos a vida e a liberdade.

Em outras palavras — e sarcasticamente —, agimos mal e não nos arrependemos. Queremos tua misericórdia para continuarmos a
praticar o mal!

O outro louvava a Deus na sua Justiça. E desinteressadamente O defendeu. Depois, proferiu uma súplica de penitente: “Senhor, lembra-te de mim quando estiveres em teu reino” (S. Lucas, c. 23, v. 42).

Equivale a dizer: Médico, tende misericórdia deste pecador. Curai minhas chagas. Salvai-me. Não nesta vida, mas no vosso Reino.

Esta súplica recebeu da parte de Nosso Senhor a maior promessa, a promessa única de estar com Ele ainda naquele dia no Paraíso. Há uma comparação a esse propósito que convém destacar: de um lado, Adão, pelo pecado, foi expulso do Paraíso (terrestre); de outro lado, o criminoso arrependido alcança o Paraíso Celeste.

Ideal cristão é vilipendiado, caluniado, traído

Os santos são modelos para nós. As circunstâncias variam, mas o exemplo deles ilumina os caminhos dos viandantes nesta Terra.

Assistimos hoje só espetáculo de desatinos e crimes, só comparáveis às piores crises que culminaram com o desaparecimento das grandes civilizações da Antiguidade.

O processo revolucionário, como o descreveu Plinio Corrêa de Oliveira, atinge seu apogeu. Restam apenas escombros do que foi outrora a civilização cristã.

O ideal cristão, consubstanciado na Santa Igreja Católica, Apostólica e Romana, é hoje vilipendiado, caluniado, traído como jamais o fora ao longo de sua história bimilenar.

Esse ideal cristão, pode-se dizer, encontra-se consubstanciado na Cruz, no alto do Gólgota da História. Pouco resta de sua antiga glória, abandonado e traído até por muitos de seus filhos.

O mundo moderno não aceita dogmas. Não reconhece a Lei divina e a Lei natural. Se quisermos ser bem vistos, é imprescindível à adaptação aos novos tempos. Usos, costumes, ainda que contrários aos Dez Mandamentos, devem ser adotados…

Ora, em ambientes ditos progressistas, apresenta-se um perfil aggiornato do cristão, agradável ao homem moderno. Nada de cruz, de sacrifício, de mortificação.

O foco seria a ressurreição, a alegria e, sobretudo, nada de mortificação, de renúncia aos prazeres ilícitos e ao mundo neopagão que nos cerca.

Por essa ótica, se quisermos conquistar o mundo, devemos nos assemelhar a ele.

“Aceitar” os anseios de “liberdade”, aplaudir os “diferentes”: estampar no rosto um sorriso otimista e despreocupado em face dos maiores desatinos morais que atingem o homem antes mesmo de seu nascimento, bem como de sua vida e de sua morte, ou seja, na sua totalidade; uma atitude pela qual não se pode contrariar em nada a modernidade.

Em suma, abandonar a oposição ao mundo e tornar-se um com ele… Seria “descer” da cruz e com isso tentar eliminar seus próprios males…

Há, porém, uma dificuldade: não se desce da cruz!

Condenados que somos depois do pecado original, ou padecemos, unindo nossos sofrimentos aos do Redentor, suplicando sua misericórdia, como fez São Dimas, ou, se morrermos como o mau ladrão, não escaparemos da situação de réprobos.

O desejo de fazer o bem e odiar o mal

Uma dificuldade se apresenta: onde encontrar bons exemplos e orientação genuinamente católica para nós?

Nesse mar de confusão do mundo moderno, surge uma luz: a orientação dada por Nosso Senhor a Santa Brígida, que rezava por um pecador arrependido: 

“Diga-lhe que basta seu desejo. Pois, do que se beneficiou o ladrão na cruz senão de sua boa vontade? Ou o que abriu o Céu para ele foi somente o desejo de fazer o bem e odiar o mal? O que leva ao inferno não são apenas uma má inclinação e uma concupiscência desordenada?”(3)

Plinio Corrêa de Oliveira teceu a seguinte consideração a propósito do amor que devemos devotar
à cruz: 

“É pela compreensão do papel da dor e do mistério da Cruz que a humanidade pode salvar-se da crise tremenda em que está afundando, e das penas eternas que aguardam os que até o último momento permanecerem fechados ao vosso convite para trilhar convosco a via dolorosa”.

“Maria Santíssima, Mãe das Dores, por vossas preces obtende que Deus multiplique sobre a Terra as almas que amam a Cruz. É a graça de valor incalculável que Vos pedimos, no crepúsculo desta nossa pobre e estropiada civilização.” (Preces Pro Opportunitate Dicendae. Foundation for a Christian Civilization, 1996, p. 375).

*   *   *

_____________

Notas:

1. The Great Biblical Commentary of Cornelius À Lapide St. Luke Ver. 39 a 45

http://www.catholicapologetics.info/scripture/newtestament/Lapide.htm

http://www.catholicapologetics.info/scripture/newtestament/2324luke.htm

2. Il Vangelo secondo Luca, analisi retorica, Roland Meynet, SJ, Edizioni Dehoniane, Roma, 1994, p. 663.

3. Revelações de Santa Brígida, cap. 115, tomo 6º (Op. cit., Comentários ao v. 42, último §.

(Revista Catolicismo, Nº 772 – Abril/2015)

Fonte: http://www.abim.inf.br/

GRÁTIS.
Coloque seu e-mail abaixo e receba orações, conselhos católicos e Mensagens de fé

Pesquisar no site

Veja o que acabamos de publicar

  • A condição fundamental para obtermos um milagre de Deus Leia Mais +
  • 1ª Sexta-feira do Mês: Meditação de Dezembro sobre o Sagrado Coração de Jesus Leia Mais +
Topo ↑

Inclua agora seu nome na Missa de Súplicas ao Coração de Jesus.
Ligue grátis de qualquer lugar do Brasil:

0800 774 7557

Política de Privacidade