Voltar à página inicial
Youtube Facebook Twitter Orkut

Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Devoção ao Sagrado Coração de Jesus’

Novidade: Bazar de Apostolado virtual da Associação no Facebook

7, junho, 2013 4 comentários

Se você está no Facebook, visite hoje mesmo nosso Bazar de Apostolado.

Hoje em dia só vemos imoralidades no Facebook, não é mesmo?

No entanto, milhões de pessoas o acessam todos os dias e às vezes ficam horas navegando nele.

Foi por isso que, há alguns meses, voluntários da Associação se reuniram para criar esse Bazar de Apostolado.

O intuito é levar às pessoas do Facebook uma maneira de fazerem Apostolado pelo Coração de Jesus, saberem mais sobre essa devoção.

Por meio desse Bazar, você também pode enviar uma doação de ajuda à Associação, para continuarmos a distribuir sacramentais e atendermos mais pessoas que nos procuram.

Em retribuição à sua ajuda, você pode ganhar de presente o que escolher:

Novenas,

Imagens,

Medalhas,

Terços.

Visite agora:

https://www.facebook.com/sagradocoracao/app_206803572685797?ref=ts

Bazar de Apostolado

Mas atenção: isso não é uma “Loja”, você não vai comprar nada no Bazar de Apostolado.

Trata-se de uma maneira de enviar sua doação para difundir a devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

Esperamos sua visita virtual.

“As pessoas que propagarem esta devoção terão o seu nome inscrito para sempre no meu Coração” – palavras de Nosso Senhor.

Que o Sacratíssimo Coração de Jesus abençoe você e sua família!

O que devemos pedir especialmente ao Sagrado Coração?

8, julho, 2012 11 comentários

Devemos pedir a nossa santificação e a dos que nos são mais caros.

Podemos ainda rezar a Ele por nossos interesses temporais e pelos daqueles a quem queremos bem, desde que não prejudiquem a salvação eterna, nossa e deles.

Mas devemos pedir sobretudo Sua glória, isto é, o triunfo da Igreja e a salvação das almas. Éum decorrência do primeiro e maior dos Mandamentos: Amar a Deus sobre todas as coisas.

Isso comporta o desejo ardente de que o Coração de Jesus solucione a avassaladora crise atual, que atinge ao mesmo tempo o terreno religioso e a esfera temporal.

Era essa a esperança do Papa Pio XI: “Na hora por Ele estabelecida ‘Deus se erguerá e destroçará todos os seus inimigos’ (Sl 67,2). … O Coração Divino de Jesus não poderá deixar de comover-se às súplicas e sacrifícios de sua Igreja, e dirá enfim, à Esposa que geme a seus pés divinos, sob o peso de tantas dores e males: ‘ Grande é a tua fé: faça-se como queres’ (Mt. 15,28)”.
.

 

Extraído do livro: “O estandarte da vitória: A devoção ao Sagrado Coração de Jesus e as necessidades de nossa época”. Péricles Capanema F e Melo

O contexto histórico da devoção ao Sagrado Coração de Jesus

5, junho, 2012 15 comentários

No século XVII, Santa Margarida Maria recebeu de Nosso Senhor Jesus Cristo a incumbência de pedir ao rei Luís XIV, que consagrasse a França ao Seu Sagrado Coração e que pusesse nas armas da França o Coração de Jesus.

Ela prometia ao rei que, desde que ele se resolvesse atacar os inimigos da Igreja, o Coração de Jesus o ampararia, conduziria seu reinado a uma grande glória etc. [cfr. Marguerite-Marie Alacoque, Vie et oeuvres, Saint Paul, Paris-Fribourg, 1990, t. II, pp. 335-337, 343-344, 435-436].

O Sagrado Coração de Jesus estava esperando de Luiz XIV é que ele mudasse a orientação que tinha e se pusesse à testa da restauração da Civilização Cristã. Uma vez que fizesse isso, haveria para ele um reinado de glória e haveria para a França um verdadeiro apogeu, mas um apogeu católico.

É evidente que nesse caso, a devoção ao Sagrado Coração se teria estendido pelo mundo inteiro, teria havido, na França, clima para as pregações de São Luiz Grignion de Montfort e para que essas pregações também se generalizassem pelo mundo inteiro — São Luiz Grignion também viveu no tempo de Luiz XIV — e teria se conseguido evitar a Revolução Francesa. Mediante esse pedido feito ao rei, a Revolução, na forma que tinha ao tempo de Santa Margarida Maria, teria estancado; a forma péssima que tomou depois e que foi a Revolução Francesa, teria sido prevenida.

Portanto, essa devoção, logo no seu primeiro movimento, em sua primeira indicação da parte do Sagrado Coração, tem um sentido nitidamente contra-revolucionário.

Chama a atenção o fato de que os vários movimentos contra-revolucionários que se esboçaram nos séculos XVIII e XIX tinham ligação com o Sagrado Coração de Jesus. Os “chouans”, por exemplo, também levaram o Sagrado Coração no distintivo. Essa devoção tem sido, invariavelmente, preconizada pelos bons católicos, tem inspirado as boas almas e tem sido para elas uma causa de alento. Ao contrário, tem sido detestada pelos maus.

Um lindo modo de adorarmos a Nosso Senhor Jesus Cristo é nos unirmos às disposições e meditações de Nossa Senhora, na ocasião em que Nosso Senhor foi descido da cruz, quando Ela teve seu corpo sacratíssimo no colo.

Ela contemplou cada parte desse corpo machucado com uma dor, com uma profundidade de conceitos, de amor, de veneração, de respeito, de carinho. Ela considerou cada uma dessas partes em sua significação e sua função específica; mediu a ofensa feita à divindade no ter flagelado aquela parte e com isso – afinal de contas – Ela praticou essa devoção.

 O que é, propriamente, a devoção ao Sagrado Coração?

É a devoção ao órgão de Nosso Senhor, que é o Coração. Mas, na Escritura, o coração não tem o significado sentimental que tomou no fim do século XVIII, mais ou menos, e certamente no século XIX. Não exprime o sentimento. Quando diz a Escritura: “A ti disse o meu coração: eu te procurei”, o coração aí é a vontade humana, é o propósito humano, é propriamente, a santidade humana. Nosso Senhor diz: “na minha vontade santíssima, Eu quero”. Também quando o Evangelho diz: “Nossa Senhora guardou todas as coisas em seu coração e as meditava”, aí se percebe facilmente que não é o coração sentimental, mas a vontade dEla, a alma dEla que guardava aquelas coisas e pensava sobre elas.

O coração é a vontade da pessoa, o seu elemento dinâmico que considera e pondera as coisas. O Sagrado Coração de Jesus é a consideração disso em Nosso Senhor, simbolizado pelo coração, porque todos os movimentos da vontade do homem podem ter no coração uma repercussão. Nesse sentido, então, é o órgão adequado para exprimir esses sentimentos. E é nesse sentido, então, que se adora o Santíssimo Coração de Jesus.

A essa devoção Nosso Senhor prometeu um caudal de graças. A mais marcante delas, talvez, é que as almas que fizerem as nove sextas-feiras não morrerão sem terem a graça especial de se arrependerem antes. No momento relacionado com a morte, elas terão uma grande graça, tão grande que todas as esperanças se podem ter de sua salvação.

Portanto, compreende-se quanto empenho devemos ter em que essa devoção seja conhecida, seja apreciada, seja medida com a razão, porque devoção sentimental não tem sentido.

Devoção varonil é a que procura conhecer a razão de ser dela e praticá-la pela sua razão de ser. Assim é que um homem e uma mulher autenticamente católicos pensam a respeito dos atos de piedade. Então, pensar nisso, querer isso, dirigirmos nossa alma ao Coração de Jesus como fonte de graças calculadas para as épocas difíceis que deveriam vir e pedir que o Coração de Jesus nos lave dos vícios dos dias atuais. Este é propriamente o pedido magnífico que nas sextas-feiras e, sobretudo, na primeira sexta-feira do mês,  se deve fazer.

Lembremo-nos daquele centurião que perfurou com uma lança o Coração de Jesus. Da água e do sangue que saíram do flanco de Nosso Senhor, uma parte jorrou em seus olhos, e ele imediatamente se curou e recuperou a vista. Para nós isto é altamente eloquente. Quer dizer que quem tem devoção ao Sagrado Coração de Jesus pode pedir uma graça igual, não para a vista física, da qual, graças a Deus, mais frequentemente as pessoas não carecem, mas para a vista mental, para termos: senso católico, senso do bem e do mal, a percepção de como os maus trabalham em torno de nós, para distinguir em nós o que é bom e o que é mal, conhecimento de nossos defeitos, conhecimento das almas dos outros para lhes fazer bem, um bom discernimento para os estudos. Enfim, para termos distâncias psíquicas, para termos equilíbrio mental e nervoso e para nos curarmos — o quanto possível — de molezas de toda ordem.

Podemos e devemos recorrer ao Sagrado Coração de Jesus que, com uma graça jorrada dEle — como a água que curou o centurião — possa eliminar a cegueira de nossas almas.

Peçamos ao Sagrado Coração de Jesus, por intermédio do Coração Imaculado de Maria — porque só assim, por intermédio de Nossa Senhora é que se obtém dEle as graças que nos curem dessa múltipla cegueira —, e teremos feito um esplêndido pedido e estaremos a caminho de conseguir uma magnífica graça.

Fonte: Resumo feito de pliniocorreadeoliveira.info

A devoção ao Sagrado Coração de Jesus é a mais antiga

1, junho, 2012 6 comentários

Estamos no mês de junho, que é dedicado pela Igreja ao Sagrado Coração de Jesus.

Ao longo deste mês, você encontrará aqui muitos textos sobre a devoção ao Sagrado Coração de Jesus, pois quanto mais conhecermos, melhor adoraremos e certamente mais amaremos o Santíssimo Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo.

“O culto especial dos cristãos para com o Sagrado Coração de Jesus é de todas as devoções a mais antiga. Antes que houvesse os Santos Sacramentos e outros objetos de devoção, já a bem-aventurada Virgem Maria venerava o dulcíssimo Coração de Jesus, são José o estreitava nos braços; os pastores e os Magos, Simeão e Ana, os apóstolos e discípulos, a ele e por ele atraídos, prestavam-lhe homenagens do amor.

A devoção ao divino Coração, porém, tomou extraordinário incremento, depois que Jesus, chamando todos os homens a aprender dele, que é “manso e humilde de coração”, extraiu do tesouro do seu Coração o dom excelente da sagrada Eucaristia e quis, finalmente, que esse Coração, aberto na Cruz, a todos ficasse patente como asilo.

Esta devoção especial, já os apóstolos a espalharam no universo, os Padres da Igreja com ternura a cultivaram e zelosamente lhe teceram encómios. Enfim, os santos de todos os séculos foram discípulos fervorosos do Coração de Jesus.”

(Prefácio do livro: A Jesus os corações ou imitação do Sagrado Coração de Jesus pelo Pe. Pedro Arnoudt S.J, editora Vozes LTDA Petrópolis, ano de edição 1941)

O amor de Deus e Sua vontade devem pautar nossa conduta

27, agosto, 2011 15 comentários

Um verdadeiro cristão, mas sobretudo um cristão associado à devoção ao Sagrado Coração de Jesus, deve ter por princípio e por fundamento de sua conduta e de todas suas ações, o amor de Deus, e por regra a vontade de Deus.

É assim que venceu Jesus Cristo Nosso Senhor, e depois Dele todos os santos e todos os eleitos, e é assim que nos asseguraremos como eles nossa salvação e nossa predestinação.

Cada dia que um cristão passa sobre a terra é um resumo de sua vida; e é conforme ele tenha empregado bem ou mal as pequenas porções do tempo que Deus lhe dá, que seu julgamento será feliz ou funesto; e como, na qualidade de filho de Deus e membro de Jesus Cristo, ele deve honrar, glorificar e servir a Deus, ele está obrigado a esforçar-se de fazê-lo de maneira digna de Deus.

Extraído do livro: O Sagrado Coração de Jesus – Reinaldo F. Mota Jr.