Voltar à página inicial
Youtube Facebook Twitter Orkut

Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Devoção ao Sagrado Coração de Jesus’

O Deus desprezado

22, julho, 2014 1 comentário

“Por ti prisioneiro de amor, 

Eu me ofereço aqui noite e dia

Chorando diante de Deus meu Pai 

E pedindo por tua miséria”

 

Não se pode ser verdadeiramente católico ignorando ou desprezando o Santíssimo Sacramento; deixando-se de lhe prestar, não as reverências incidentais, inconscientes, banais, que se lhe dispensa, quando por outros motivos é-se atraído à Igreja, mas o culto de adoração, distinto, definido, principal que todo católico lhe deve como ao Deus da Igreja.

O significado da Eucaristia

Todo o dogma católico, como nos ensina a teologia, se resume no mistério da Encarnação; e a Eucaristia não é senão a renovação perpétua, a aplicação pessoal a cada um de nós do delicioso mistério de amor que nos resgatou.

Pela Encarnação Deus uniu-Se à nossa espécie; pela Eucaristia une-Se a cada indivíduo.

Pela Encarnação contraiu um verdadeiro parentesco com a nossa natureza; pela Eucaristia um verdadeiro parentesco com cada um de nós.

Como a Providência não é senão a ação do Deus Criador estendida, aplicada, particularizada a cada cristão que pela comunhão eucarística apropria-se da natureza, da carne, do sangue, das satisfações e dos próprios méritos do seu Redentor.

Mas que significação pode ter na Igreja a própria comunhão eucarística, o mais sublime ato de amor que um homem possa praticar, se o culto do Santíssimo Sacramento é ignorado ou desprezado?!

É no Santíssimo Sacramento que Jesus Cristo perpetua a Sua existência na terra por um modo de vida tão real, tão substancial como o primeiro.

O Santíssimo Sacramento não é só um dom de Jesus Cristo. É Jesus Cristo mesmo operando tudo na Igreja, e onde, portanto nada tem valor se Ele não é ouvido, respeitado, obedecido e amado.

A Igreja e a Eucaristia

Igreja e Eucaristia são inseparáveis: catolicismo e Santíssimo Sacramento são uma só verdade.

Todos benefícios que nos dá a Igreja emanam do seu máximo privilégio: a pose real de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O católico não é filho de Deus e irmão de Jesus Cristo senão porque pode verdadeiramente dizer com um grande místico:

Jesus é meu; Jesus me pertence. Ele está à minha disposição, e me dá tudo que da Sua pessoa posso receber. Os Seus méritos são tão meus como d’Ele; as Suas satisfações são tesouros mais meus que Seus; os sacrifícios são outros tantos meios que Ele engendrou para comunicar-Se à minha alma; o Santíssimo Sacramento é o mistério que Ele inventou para viver comigo. O Seu amor fez tudo por mim; mas Ele quer que eu concentre em Si todas as minhas afeições.”

O culto ao Santíssimo Sacramento

Tudo isto é belo, sublime, digno de um Deus; mas como tudo isto pode ser real sem culto ao Santíssimo Sacramento?!

O culto do Santíssimo Sacramento é a devoção total, completa, com desprezo da qual todas as outras não são mais que satélites privados da luz que lhes empresta o respectivo planeta.

Sim; a Eucaristia é o astro central em torno do qual gravitam todas as devoções da Igrejadas quais nenhuma tem beleza verdadeira nem proveito real se não tira do Santíssimo Sacramento um reflexo, ao menos, que lhe dê o calor da piedade.

A oração é o meio mais íntimo de adoração a Deus; clique na imagem para descobrir como receber seu devocionário do Sagrado Coração de Jesus.

Em coisa alguma, diz o autor do “Precioso Sangue”, a beleza da Igreja se nos mostra mais sedutora.

Nem as suas revelações mais profundamente divinas do que na variedade de suas devoções, que ela funda, desenvolve, ostenta progressivamente com a liberdade de uma árvore que estende os seus ramos.

Mas, por mais livre que pareça a Igreja, uma unidade profunda, uma lei superior oculta-se sob todas essas diversidades do Culto; a lei teológica que em todas as devoções da Igreja manifesta-lhe a vida interior.

A vida interior da Igreja reside em Jesus Cristo real, presente sob os véus eucarísticos. 

A Igreja é uma criação de Jesus Cristo dentro da Sua própria criação. O mundo é a Sua criação como Criador, a Igreja Sua criação como Redentor.

A Igreja não é somente uma cópia das coisas divinas: é a vida divina mesma de Jesus, que dela fez a Sua residência, encobriu os esplendores da Sua glória e ocultou-Se no mistério do Santíssimo Sacramento.

É em Jesus que se encerram, é Jesus  que combina todas as devoções.

O culto de Nosso Senhor Jesus Cristo, é, portanto, a grande, a primeira, substancial devoção.

A adoração do Santíssimo Sacramento – eis o dever de todo católico, que não o cumpre, diz o ilustre padre Faber, só com o ato de ouvir missa, ou mesmo com o ato de comungar.

Porque o que se estende por devoção ao Santíssimo Sacramento não é a assistência ao santo Sacrifício da missa, nem a comunhão eucarística, mas a visita, a adoração de Jesus Cristo na Sua vida sacramental no Tabernáculo.

O Privilégio do Católico

Que privilégio o do católico: ter Deus sempre corporalmente na terra, em habitação facilmente acessível, a cujas portas não encontra, como nos palácios dos grandes, lacaios aos quais a etiqueta só permite que nos deem entrada após longas esperas!

Poder visitar ao Rei dos céus e da terra mais facilmente do que aos fidalgos do mundo! Não lhe mandar Ele nunca dizer que não pode recebê-lo; que está doente ou ocupado!

Pode, sempre que lhe apraz, estar com Deus – objeto de seu culto, companheiro de seu exílio, confidente das suas mágoas, conselheiro dos seus negócios, depositário dos seus desejos!

Ser católico e não conhecer ou desprezar este privilégio, oh! que desventura!

(Excertos do livro O Deus desprezado por Padre Julio Maria dos Redentoristas)

 

Fonte: blog a grande guerra

 

 

ORIGEM DA DEVOÇÃO AO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

5, junho, 2014 15 comentários

Uma imagem do Coração de Jesus em sua casa

Na sexta-feira depois da oitava da festa do Corpo de Deus, celebra-se a festa do Sagrado Coração de Jesus. De acordo com os desejos de Nosso Senhor, manifestados a Santa Margarida Maria Alacoque, deve ser dia de reparação, pela ingratidão, frieza, desprezo e sacrilégios que muitas vezes sofreu na Eucaristia, por parte de maus cristãos, e às vezes até por parte de pessoas que se presumem piedosas.

Em todas as igrejas se fazem, neste dia, solenes atos coletivos de reparação. Para estimular os cristãos e retribuir tantas e tão grandes provas de amor do divino Coração de Jesus, a Santa Igreja dedica à sua veneração, não só a primeira sexta-feira de cada mês, mas também um mês inteiro, o mês de junho.

No dia 16 de junho de 1675, durante uma exposição do Santíssimo Sacramento, Nosso Senhor apareceu a Santa Margarida Maria Alcoque e, descobrindo seu Coração, disse-lhe:

“Eis o coração que tanto tem amado aos homens e em recompensa não recebe, da maior parte deles, senão ingratidões pelas irreverências e sacrilégios, friezas e desprezos que tem por Mim neste Sacramento de Amor”.

 Quem é devoto do Sagrado Coração de Jesus?

Tem devoção ao Sagrado Coração de Jesus, quem considera o amor que Jesus Cristo patenteou na sua vida, na morte e no SSmo Sacramento, quem considera os afetos, os sofrimentos da alma de Jesus Cristo.

É devoto do Sagrado Coração de Jesus, quem ama a Jesus Cristo, imita suas virtudes; quem Lhe faz reparação honorífica em compensação aos ultrajes que recebe, para corresponder ao amor que Ele tem a nós.

O Sagrado Coração de Jesus, na “GRANDE PROMESSA”, concedeu a inestimável graça da perseverança final aos que comungarem na primeira sexta-feira de nove meses seguidos. Pelo que se introduziu o exercício de devoções em honra do Sagrado Coração, na primeira sexta-feira de cada mês.

Além da graça prometida, ganha-se uma indulgência plenária (Comunhão, reparação, oração e meditação por algum tempo sobre a infinita bondade do Sagrado Coração). (Pe. Réus: “Orai”)

Jesus, portanto, quer que Lhe demos amor e reparação das ofensas contra a Eucaristia, honrando e venerando o seu divino Coração.

E como para nos obrigar a isto, fez as seguintes magníficas promessas, em que fala a misericórdia do seu Sagrado Coração:

AS PROMESSAS

 1) Dar-lhes-ei todas as graças necessárias ao seu estado.

2) Porei paz em suas famílias.

3) Consolá-los-ei em todas as suas aflições.

4) Serei o seu refúgio na vida e principalmente na morte.

5) Derramarei abundantes bênçãos sobre todos os seus empreendimentos.

6) Os pecadores acharão no meu Coração o manancial e o oceano infinito de misericórdia.

7) As almas tíbias tornar-se-ão fervorosas.

8) As almas fervorosas altear-se-ão, rapidamente, às eminências da perfeição.

9) Abençoarei as casas, onde se expuser e venerar a imagem do meu Sagrado Coração.

10) Darei aos sacerdotes o dom de abrandarem os corações mais endurecidos.

11) As pessoas que propagarem esta devoção, terão os seus nomes escritos no meu Coração, para nunca dele serem apagados.

12) A GRANDE PROMESSA: Prometo-te, pela excessiva misericórdia e pelo amor todo-poderoso do meu Coração, conceder a todos que comungarem nas primeiras sextas-feiras de nove meses consecutivos, a graça da penitência final, que não morrerão em minha inimizade, nem sem receberem os seus sacramentos, e que o meu divino Coração lhes será seguro asilo nesta última hora.

 

Novidade: Bazar de Apostolado virtual da Associação no Facebook

7, junho, 2013 4 comentários

Se você está no Facebook, visite hoje mesmo nosso Bazar de Apostolado.

Hoje em dia só vemos imoralidades no Facebook, não é mesmo?

No entanto, milhões de pessoas o acessam todos os dias e às vezes ficam horas navegando nele.

Foi por isso que, há alguns meses, voluntários da Associação se reuniram para criar esse Bazar de Apostolado.

O intuito é levar às pessoas do Facebook uma maneira de fazerem Apostolado pelo Coração de Jesus, saberem mais sobre essa devoção.

Por meio desse Bazar, você também pode enviar uma doação de ajuda à Associação, para continuarmos a distribuir sacramentais e atendermos mais pessoas que nos procuram.

Em retribuição à sua ajuda, você pode ganhar de presente o que escolher:

Novenas,

Imagens,

Medalhas,

Terços.

Visite agora:

https://www.facebook.com/sagradocoracao/app_206803572685797?ref=ts

Bazar de Apostolado

Mas atenção: isso não é uma “Loja”, você não vai comprar nada no Bazar de Apostolado.

Trata-se de uma maneira de enviar sua doação para difundir a devoção ao Sagrado Coração de Jesus.

Esperamos sua visita virtual.

“As pessoas que propagarem esta devoção terão o seu nome inscrito para sempre no meu Coração” – palavras de Nosso Senhor.

Que o Sacratíssimo Coração de Jesus abençoe você e sua família!

O que devemos pedir especialmente ao Sagrado Coração?

8, julho, 2012 11 comentários

Devemos pedir a nossa santificação e a dos que nos são mais caros.

Podemos ainda rezar a Ele por nossos interesses temporais e pelos daqueles a quem queremos bem, desde que não prejudiquem a salvação eterna, nossa e deles.

Mas devemos pedir sobretudo Sua glória, isto é, o triunfo da Igreja e a salvação das almas. Éum decorrência do primeiro e maior dos Mandamentos: Amar a Deus sobre todas as coisas.

Isso comporta o desejo ardente de que o Coração de Jesus solucione a avassaladora crise atual, que atinge ao mesmo tempo o terreno religioso e a esfera temporal.

Era essa a esperança do Papa Pio XI: “Na hora por Ele estabelecida ‘Deus se erguerá e destroçará todos os seus inimigos’ (Sl 67,2). … O Coração Divino de Jesus não poderá deixar de comover-se às súplicas e sacrifícios de sua Igreja, e dirá enfim, à Esposa que geme a seus pés divinos, sob o peso de tantas dores e males: ‘ Grande é a tua fé: faça-se como queres’ (Mt. 15,28)”.
.

 

Extraído do livro: “O estandarte da vitória: A devoção ao Sagrado Coração de Jesus e as necessidades de nossa época”. Péricles Capanema F e Melo

O contexto histórico da devoção ao Sagrado Coração de Jesus

5, junho, 2012 15 comentários

No século XVII, Santa Margarida Maria recebeu de Nosso Senhor Jesus Cristo a incumbência de pedir ao rei Luís XIV, que consagrasse a França ao Seu Sagrado Coração e que pusesse nas armas da França o Coração de Jesus.

Ela prometia ao rei que, desde que ele se resolvesse atacar os inimigos da Igreja, o Coração de Jesus o ampararia, conduziria seu reinado a uma grande glória etc. [cfr. Marguerite-Marie Alacoque, Vie et oeuvres, Saint Paul, Paris-Fribourg, 1990, t. II, pp. 335-337, 343-344, 435-436].

O Sagrado Coração de Jesus estava esperando de Luiz XIV é que ele mudasse a orientação que tinha e se pusesse à testa da restauração da Civilização Cristã. Uma vez que fizesse isso, haveria para ele um reinado de glória e haveria para a França um verdadeiro apogeu, mas um apogeu católico.

É evidente que nesse caso, a devoção ao Sagrado Coração se teria estendido pelo mundo inteiro, teria havido, na França, clima para as pregações de São Luiz Grignion de Montfort e para que essas pregações também se generalizassem pelo mundo inteiro — São Luiz Grignion também viveu no tempo de Luiz XIV — e teria se conseguido evitar a Revolução Francesa. Mediante esse pedido feito ao rei, a Revolução, na forma que tinha ao tempo de Santa Margarida Maria, teria estancado; a forma péssima que tomou depois e que foi a Revolução Francesa, teria sido prevenida.

Portanto, essa devoção, logo no seu primeiro movimento, em sua primeira indicação da parte do Sagrado Coração, tem um sentido nitidamente contra-revolucionário.

Chama a atenção o fato de que os vários movimentos contra-revolucionários que se esboçaram nos séculos XVIII e XIX tinham ligação com o Sagrado Coração de Jesus. Os “chouans”, por exemplo, também levaram o Sagrado Coração no distintivo. Essa devoção tem sido, invariavelmente, preconizada pelos bons católicos, tem inspirado as boas almas e tem sido para elas uma causa de alento. Ao contrário, tem sido detestada pelos maus.

Um lindo modo de adorarmos a Nosso Senhor Jesus Cristo é nos unirmos às disposições e meditações de Nossa Senhora, na ocasião em que Nosso Senhor foi descido da cruz, quando Ela teve seu corpo sacratíssimo no colo.

Ela contemplou cada parte desse corpo machucado com uma dor, com uma profundidade de conceitos, de amor, de veneração, de respeito, de carinho. Ela considerou cada uma dessas partes em sua significação e sua função específica; mediu a ofensa feita à divindade no ter flagelado aquela parte e com isso – afinal de contas – Ela praticou essa devoção.

 O que é, propriamente, a devoção ao Sagrado Coração?

É a devoção ao órgão de Nosso Senhor, que é o Coração. Mas, na Escritura, o coração não tem o significado sentimental que tomou no fim do século XVIII, mais ou menos, e certamente no século XIX. Não exprime o sentimento. Quando diz a Escritura: “A ti disse o meu coração: eu te procurei”, o coração aí é a vontade humana, é o propósito humano, é propriamente, a santidade humana. Nosso Senhor diz: “na minha vontade santíssima, Eu quero”. Também quando o Evangelho diz: “Nossa Senhora guardou todas as coisas em seu coração e as meditava”, aí se percebe facilmente que não é o coração sentimental, mas a vontade dEla, a alma dEla que guardava aquelas coisas e pensava sobre elas.

O coração é a vontade da pessoa, o seu elemento dinâmico que considera e pondera as coisas. O Sagrado Coração de Jesus é a consideração disso em Nosso Senhor, simbolizado pelo coração, porque todos os movimentos da vontade do homem podem ter no coração uma repercussão. Nesse sentido, então, é o órgão adequado para exprimir esses sentimentos. E é nesse sentido, então, que se adora o Santíssimo Coração de Jesus.

A essa devoção Nosso Senhor prometeu um caudal de graças. A mais marcante delas, talvez, é que as almas que fizerem as nove sextas-feiras não morrerão sem terem a graça especial de se arrependerem antes. No momento relacionado com a morte, elas terão uma grande graça, tão grande que todas as esperanças se podem ter de sua salvação.

Portanto, compreende-se quanto empenho devemos ter em que essa devoção seja conhecida, seja apreciada, seja medida com a razão, porque devoção sentimental não tem sentido.

Devoção varonil é a que procura conhecer a razão de ser dela e praticá-la pela sua razão de ser. Assim é que um homem e uma mulher autenticamente católicos pensam a respeito dos atos de piedade. Então, pensar nisso, querer isso, dirigirmos nossa alma ao Coração de Jesus como fonte de graças calculadas para as épocas difíceis que deveriam vir e pedir que o Coração de Jesus nos lave dos vícios dos dias atuais. Este é propriamente o pedido magnífico que nas sextas-feiras e, sobretudo, na primeira sexta-feira do mês,  se deve fazer.

Lembremo-nos daquele centurião que perfurou com uma lança o Coração de Jesus. Da água e do sangue que saíram do flanco de Nosso Senhor, uma parte jorrou em seus olhos, e ele imediatamente se curou e recuperou a vista. Para nós isto é altamente eloquente. Quer dizer que quem tem devoção ao Sagrado Coração de Jesus pode pedir uma graça igual, não para a vista física, da qual, graças a Deus, mais frequentemente as pessoas não carecem, mas para a vista mental, para termos: senso católico, senso do bem e do mal, a percepção de como os maus trabalham em torno de nós, para distinguir em nós o que é bom e o que é mal, conhecimento de nossos defeitos, conhecimento das almas dos outros para lhes fazer bem, um bom discernimento para os estudos. Enfim, para termos distâncias psíquicas, para termos equilíbrio mental e nervoso e para nos curarmos — o quanto possível — de molezas de toda ordem.

Podemos e devemos recorrer ao Sagrado Coração de Jesus que, com uma graça jorrada dEle — como a água que curou o centurião — possa eliminar a cegueira de nossas almas.

Peçamos ao Sagrado Coração de Jesus, por intermédio do Coração Imaculado de Maria — porque só assim, por intermédio de Nossa Senhora é que se obtém dEle as graças que nos curem dessa múltipla cegueira —, e teremos feito um esplêndido pedido e estaremos a caminho de conseguir uma magnífica graça.

Fonte: Resumo feito de pliniocorreadeoliveira.info