Voltar à página inicial
Youtube Facebook Twitter Orkut

Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Imagem do Sagrado Coração de Jesus’

Como aprender a perdoar, a ser humilde, a caridade e a bondade

8, março, 2014 8 comentários

“Começou, depois, a ensinar-lhes que o Filho do Homem tinha de sofrer muito”

Jesus bendito, que me ensinaram os homens que Vós não me tenhas ensinado na Vossa cruz? Ontem vi claramente que só aprendemos acorrendo a Vós e só Vos nos dás forças nas provas e tentações; que somente ao pé da vossa cruz, vendo-Vos pregado a ela, aprendemos o perdão, a  humildade, a caridade, a bondade.

Não Vos esqueçais de mim, Senhor; olha para mim, prostrado na vossa frente, e concede-me o que Vos peço. Depois, que venham os desprezos, que venham as humilhações […], que me importa! Convosco a meu lado tudo posso. A lição prodigiosa, admirável, inexprimível que me dás com a vossa cruz dá-me forças para tudo.

Cuspiram-Vos, insultaram-Vos, flagelaram-Vos, pregaram-Vos a uma cruz e, sendo Vós Deus, perdoastes, calastes-Vos humildemente e oferecestes-Vos a Vós próprio. Que posso dizer da vossa Paixão? É melhor não dizer nada e que, no fundo do meu coração, medite no que o homem nunca poderá chegar a compreender; que me contente com amar profundamente, apaixonadamente, o mistério da vossa Paixão. […]

Que doce é a cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo! Que doce é sofrer perdoando! [...] Como não ficar louco? Ele mostra-me o seu coração aberto aos homens e por eles desprezado. Onde já se viu e quem alguma vez sonhou suportar tamanha dor? Como vivemos bem no Sagrado Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo!

 Fonte: Evangelho Quotidiano

Por que se glorifica o Santíssimo Nome de Jesus?

13, novembro, 2013 6 comentários

A Festa do Santíssimo Nome de Jesus é celebrada de diversas formas desde tempos imemoriais. Porém, entrou no calendário Católico Romano no fim da Idade Média.

Santíssimo Nome de Jesus, catedral de Salvador, Bahia

A festa foi alargada para toda a Igreja Católica Romana em 20 de Dezembro de 1721, pelo papa Inocêncio XIII. Mas, o dia exato varia segundo o calendário de Natal.

Por que essa insistência especial no Nome de Jesus?

Por que grandes santos da Igreja afugentavam os demônios com o Nome de Jesus?

Quando fazemos algo de muito importante. Por exemplo, no início da Missa o padre se persigna; por ocasião da leitura de um testamento, diz-se: “Em nome da Santíssima Trindade, Padre, Filho e Espírito Santo, eu, Fulano de tal, faço meu testamento.”

Pela ordem profunda das coisas – que foi truncada pelo pecado original – , a linguagem humana era capaz de exprimir adequadamente as coisas, dando-lhes um nome adequado.

Esse nome era uma palavra que definia aquilo que havia de mais íntimo no ser para o qual dava o nome.

Assim, o Gênesis conta que ao passarem os animais diante de Adão, ele foi dando a cada um seu nome. E esse dar o nome era dar uma palavra que exprimisse adequadamente o ser de cada um.

Assim, por exemplo, quando dizemos “águia” não há uma relação necessária entre a palavra “águia” e aquilo que é o típico da águia. É uma coisa convencional, em outras línguas civilizadas usam-se outras palavras igualmente legítimas.

Mas na linguagem usada por Adão era diferente. Havia uma relação verdadeira e profunda entre a música e a estrutura da palavra “águia” e a realidade da águia.

Então o Santíssimo Nome de Jesus é, de um modo misterioso, a própria definição daquilo que na Pessoa adorável de Nosso Senhor Jesus Cristo existe de mais capaz de mencionar aquilo que Ele é.

Nesse sentido, o nome é um símbolo da pessoa, e o nome de Jesus é um símbolo de Jesus. É um símbolo sacratíssimo que tem o poder de atrair as graças sobre nós e de causar terror dos demônios.

O Nome de Jesus se resume nas iniciais IHS, Jesus Salvador dos Homens, que se colocam em certos papéis e embaixo da Cruz.

A Cruz e o Nome de Jesus são os dois símbolos perfeitos.

O Nome de Jesus é a manifestação de sua glória. E se queremos a glorificação do Nome de Jesus, queremos a glorificação do Nome de Maria.

O que quer a Igreja quando glorifica o Nome de Jesus? Ela quer que o Nome de Jesus esteja por cima de todas as coisas e que tudo lhe esteja sujeito.

Portanto, Ela quer uma ordem sacral, uma ordem baseada na única Fé verdadeira que é a Católica, Apostólica e Romana.

Ela quer uma ordem que nada tenha de laicista, de igualitário.

A festa do Nome de Jesus é uma das numerosas festas da sacralidade, da hierarquia e da civilização cristã.

É adequado pedirmos que o Nome de Jesus seja cercado de toda a glória. Quer dizer, que Jesus seja conhecido, adorado, reverenciado por todos os homens, sendo reverenciadas as coisas que são conformes a Ele.

E se o laicismo, o caos, a blasfêmia querem ser a Revolução, então devemos desejar que a Contra-Revolução vença, porque a Contra-Revolução é a própria vitória do Nome de Jesus.

A festa é celebrada em diferentes dias, geralmente no mês de janeiro. As mais frequentes são o Domingo entre 2 e 5 de Janeiro, ou no primeiro dia livre após 1º de Janeiro, nomeadamente 3 desse mês.

(Autor: Plinio Corrêa de Oliveira, 01/01/1965. Sem revisão do autor)
Fonte: Blog Orações e Milagres Medievais

Assista ao vídeo e reflita se em sua casa é assim

7, novembro, 2013 24 comentários


“Este filme me fez recordar de quando em 2011 pedi ao meu marido que me desse de presente de aniversário o quadro com a imagem do Sagrado Coração de Jesus, mas perto do meu aniversário falei com ele que em vez do quadro, eu queria uma passagem para fazer uma viagem de proposta de trabalho.

E ele me disse assim: “Não faça essa viagem, fique aqui. Vai aparecer uma proposta melhor de emprego e você terá a imagem do Sagrado Coração de Jesus em nossa casa”.

Entretanto, naquele momento eu não dei ouvidos a ele e acabei viajando. E antes da resposta da admissão do emprego sair, aconteceu o pior: meu marido faleceu aos 27 anos vítima de suicídio, uma morte que é frequente na família dele,e eu nem estava por perto para de alguma forma ajudá-lo.

Só depois de algum tempo percebi que a Imagem Sagrada que ele iria me dar de presente era pra nos proteger das ciladas do maligno. O meu marido parece que estava pressentindo que algo de ruim estava pra acontecer ,embora fosse uma pessoa que não demonstrasse nenhum tipo de tristeza.

Eu tive a oportunidade de ter obtido a imagem na minha casa, mas prefeir outra coisa. Por isso eu digo:

OBTER O QUADRO COM A IMAGEM DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS E COLOCÁ-LA DENTRO DO NOSSO LAR É DE GRANDE BÊNÇÃO E LIVRAMENTO. -  D. A. N -

Veja aqui como receber a estampa do Sagrado Coração de Jesus

Bom Jesus

7, outubro, 2013 4 comentários

Bom Jesus, amador das almas puras,

Bom Jesus, amador das almas mansas,

De ti vêm as serenas esperanças,

De ti vêm as angélicas doçuras.

 

Em toda parte vejo que procuras

O pecador ingrato e não descansas,

Para lhe dar as bem-aventuranças

Que os espíritos gozam nas alturas.

 

A mim, pois, que de magro desatino

E, noite e dia, em lágrimas me banho,

Vem abrandar o meu cruel destino.

 

E, terminado este degredo estranho,

Tem compaixão de mim, Pastor Divino,

Que não falte uma ovelha ao teu rebanho!

Fonte: Blog A Grande Guerra

Pode Nosso Senhor Jesus Cristo ter desprezado a sua mãe?

18, setembro, 2013 9 comentários

Na passagem narrada por São Mateus (12, 46-50), seria possível que Nosso Senhor Jesus Cristo tenha desprezado a sua própria mãe?

 “Estando ele ainda a falar ao povo, eis que sua mãe e seus irmãos se achavam fora, desejando falar-lhe. E alguém disse-lhe: “Tua mãe e teus irmãos estão ali fora, e procuram-te”. Ele, porém, respondendo ao que lhe falava, disse-lhe: Quem é minha mãe e quem são os meus irmãos? E, estendendo a mão para seus discípulos disse: Eis minha mãe e meus irmãos. Porque todo aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão e irmã e mãe.”

 Este episódio está narrado também no Evangelho de São Marcos, capítulo 3, versísulos 31 a 35:

 “E chegaram sua mãe e seus irmãos; e, estando fora, mandaram-no chamar. E estava sentada à roda dele muita gente, e disseram-lhe: Eis que tua mãe e teus irmãos te buscam lá fora. E ele, respondendo-lhes, disse: Quem é minha mãe e meus irmãos? E, olhando para os que estavam sentados à roda de si, disse: Eis minha mãe e meus irmãos. Porque o que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, e minha irmã, e minha mãe”.

E, finalmente, no Evangelho de São Lucas, capítulo 8, versículos 19 a 21:

“E foram ter com ele sua mãe e seus irmãos, e não podiam aproximar-se dele por causa da multidão. E foram dizer-lhe: Tua mãe e teus irmãos estão lá fora, e querem ver-te. E ele, respondendo, disse-lhes: Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus, e a praticam”.

 Assim, se por inspiração do Espírito Santo esse fato está narrado em três dos quatro Evangelhos é porque realmente se trata de um acontecimento particularmente importante. Mas, então, o que quis dizer Nosso Senhor Jesus Cristo?

Não é concebível que Nosso Senhor em algum momento tenha desprezado ou feito pouco caso de sua mãe. Basta recordar a passagem referente ao jovem rico, quando Ele diz que, para entrar no Reino do Céu, é preciso honrar pai e mãe. Ei-la:

 “E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem devo eu fazer para alcançar a vida eterna? Jesus respondeu-lhe: Por que me interrogas acerca do que é bom? Um só é bom, Deus. Porém, se queres entrar na vida eterna, guarda os mandamentos. Quais? Perguntou ele. E Jesus disse: Não matarás; não roubarás; não dirás falso testemunho. Honra teu pai e tua mãe, e ama o teu próximo como a ti mesmo”.

 Nesta passagem Nosso Senhor deseja mostrar, dentre outras questões, que a salvação não estava mais ligada ao sangue do povo judeu e sim que o novo povo de Deus seria baseado na virtude da Fé e na obediência aos Mandamentos de Deus.

No Antigo Testamento, para uma pessoa ser admitida no ‘povo de Deus’ bastava o nascimento. Não era preciso mais nada. Evidente que, por causa disso, os judeus desprezavam aqueles que não faziam parte da ‘raça eleita’, os goyns, os gentios. Nosso Senhor Jesus Cristo queria, então, quebrar a dependência a laços sanguíneos. Alguns versículos antes do episódio com sua mãe, Ele já havia mostrado esse novo modo de formação do povo de Deus:

“Então lhe replicaram alguns dos escribas e fariseus, dizendo: Mestre, nós desejávamos ver algum prodígio teu. Mas ele respondeu-lhes, dizendo: Esta geração má e adúltera pede um prodígio, mas não lhe será dado outro prodígio senão o prodígio do profeta Jonas.

Porque, assim como Jonas esteve no ventre da baleia três dias e três noites, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra. Os habitantes de Ninive se levantarão no dia do juízo contra esta geração, e a condenarão, porque fizeram penitência com a pregação de Jonas.

E eis aqui está quem é mais do que Jonas. A rainha do meio-dia levantar-se-á no dia do juízo contra esta geração e a condenará, porque veio da extremidade da terra a ouvir a sabedoria de Salomão. E eis aqui está quem é mais do Salomão”. (Mateus 12, 38-42)

Ora, a ‘geração perversa e adúltera’ a que Nosso Senhor se referiu são os judeus, a raça eleita. O profeta Jonas não queria pregar em Nínive, como é sabido, porque lá eram todos gentios. No entanto, ele pregou e os ninivitas se converteram.

Da mesma forma, a rainha do Sul, de Sabá, que era uma mulher etíope, de raça negra, que portanto não pertencia ao povo de Israel, ouviu a mensagem de Salomão.

Logo, Nosso Senhor Jesus Cristo está dizendo aos judeus que estavam ao seu redor que passa a valer é a conversão à vontade de Deus, a obediência aos mandamentos e não mais os laços sanguíneos. A nova família de Nosso Senhor será formada por aqueles que fazem a vontade de Deus que está no céu. O novo povo de Deus estará baseado, portanto, na fé.

Nessas condições, Maria Santíssima deve ser honrada e venerada, ademais do fato ter dado a carne ao Salvador (ser a Mãe de Deus), pela sua fé explicitada ao proferir as palavras: “Faça-se em mim segundo a Tua vontade” (Lucas 1, 38).

É por isso que justamente esta passagem dos Evangelhos é usada pela Igreja para as missas em honra à Nossa Senhora. No missal de São Pio V, utilizado até o ano de 1969, nas missas votivas de Nossa Senhora, o Evangelho proclamado era sempre esse. Portanto, Nosso Senhor Jesus Cristo não desprezou, nunca, sua santíssima mãe.

Que Maria Santíssima, que teve uma fé ilibada e sempre fez a vontade de Deus, seja nossa medianeira e nos sirva de modelo para fazermos parte da família do Senhor Deus dos Exércitos celestes.

 Fonte: baseado em www.pr.gonet.biz