Voltar à página inicial

Facebook Youtube SoundCloud Instagram

Testemunhos

Veja aqui depoimentos de pessoas que alcançaram graças impressionantes através da Fé no Sagrado Coração de Jesus.

Se você também gostaria de compartilhar as bênçãos que já recebeu em sua vida, deixe aqui o seu testemunhal de Fé. Isso servirá de estímulo para que a devoção ao Sagrado Coração toque as vidas de mais pessoas.

Se você NÃO tem Facebook, comente abaixo a:
  1. As
    19, fevereiro, 2017 em 11:35 | #1

    Com certeza as vezes nós temos medo de assumir certas responsabilidades, quando Cristo nos pede, aí perdemos a confiança em Deus.

  2. Marcos Aurelio
    19, fevereiro, 2017 em 10:18 | #2

    Estimada Cezaria Lima dos Santos,
    Bom Dia!
    A senhora diz:
    1) “Eu discordo do pensamento de que “Deus estabeleceu a desigualdade no Universo para melhor fazer transparecer a sua própria perfeição”.
    2) Porque Jesus contou a Parábola do Rico e Lázaro”?
    3) Porque Jesus disse: é mais fácil um camelo entrar pelo fundo de uma agulha do que o rico se salvar?
    4) Porque as primeiras comunidades implantaram a partilha dos bens como ensinamento de Jesus?
    5) O que eu entendo é que as pessoas devem saber que os nossos talentos devem ser usados para o trabalho do qual servirá para as nossas sobrevivências e não para acumulo de bens.

    Resposta:

    Pelo desejo de auxiliar tanto a senhora quanto a quem ler em nosso site, permita-nos esclarecer alguns pontos visando responder esses seus questionamentos. É claro que por limitação de espaço teremos que ser muito sucintos.
    A) Deus, evidentemente, não precisava criar. Ele criou foi então por Bondade. E, ao criar por bondade, Ele o fez, evidentemente também, com Sabedoria. Igualmente com Poder (Ou seja, tudo aquilo que Ele desejasse, poderia e pode ainda criar; isto é, Ele dispõe de todos os recursos que queira). E ainda mais: com Força (Ou seja, nada O impede, desde que Ele queira e quando queira).
    Isto (Bondade, Sabedoria, Poder e Força) são designados de atributos da perfeição divina (além destes existem outros, como a eternidade, por exemplo).
    B) Deus é, por definição, a Perfeição. Ele é perfeitíssimo. Portanto, Deus tem, em si, a perfeição total, e inclusive todos os graus de perfeição possíveis.
    C) “Agente” é aquele que age, que faz, que produz; Deus é o principal agente de todo o universo.
    Por uma questão de princípio (que não vem ao caso explicar aqui, agora), é necessário que todo e qualquer agente faça, na medida do possível, algo semelhante a ele. Por exemplo, o fogo age aquecendo; o gelo age esfriando; o gato age conforme ele é. Ou seja, todo agente age transmitindo as suas qualidades, na medida do possível.
    D) Então, como Deus tem todas as perfeições em graus diversos, a sua obra (isto é, a criação no conjunto) tem que manifestar essas suas perfeições, particularmente aqueles quatro atributos (bondade, sabedoria, poder e força).
    E) É evidentemente impossível que apenas uma criatura reflita toda a perfeição de Deus. Portanto, para que a semelhança a Deus nas coisas criadas fosse mais perfeita, foi necessário: a) que algumas criaturas se constituíssem melhores (mais perfeitas) que as outras; b) que umas criaturas agissem nas outras para levá-las à perfeição, como Deus age.
    F) Portanto, a desigualdade (ou seja, a hierarquia entre os seres) é um bem, pois só assim (ou seja, por meio da hierarquia) pode haver semelhança a Deus quanto à manifestação da bondade, da sabedoria, do poder e da força, nos diversos graus possíveis.
    G) No caso das criaturas irracionais, essas semelhanças se realizam conforme a natureza delas, forçosamente. Agora, no caso dos seres racionais (anjos e homens), como eles foram criados para a bem-aventurança, é indispensável que mereçam. Portanto, eles precisam se esforçar para entender e querer (para merecer ou desmerecer). E então serão julgados conforme entenderam corretamente, quiseram o bem e combateram o mal, no tempo da provação. Passado o tempo da provação, cada um receberá o prêmio ou o castigo merecido. Se aceitar, na hierarquia, a prática virtuosa da bondade, da sabedoria, do poder e da força, irá para o Céu (Paraíso Celeste). Se recusar a hierarquia estabelecida segundo a virtude e optar pelos maus procedimentos (liberalismo), irá para o inferno (condenação eterna).
    H) Portanto, a desigualdade, em si, é necessária para as pessoas cumprirem suas missões na terra (conhecer, amar e servir a Deus) e com isso salvar a alma. Se não houver hierarquia na criação e na sociedade humana, as pessoas ficam sem as condições de conhecer, amar e servir a Deus aqui na terra. Portanto, a igualdade social como apregoam os ditos católicos progressistas (“modernos”), os socialistas e os comunistas, é um atentado contra a vontade de Deus. E, consequentemente, fator de condenação de inúmeras pessoas.

    I) Agora, uma breve refutação das objeções.
    2) Na parábola do pobre Lázaro e do rico Epulão, Nosso Senhor não combate a riqueza e sim mostra que o mal está em a pessoa achar que, com dinheiro, se compra o Céu.
    3) A parábola de que é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino dos Céus tem a finalidade de mostrar que não se deve ter apego aos bens terrenos (riquezas). Ora, como explica Santo Tomás de Aquino, na ‘Catena Áurea”, o apego aos bens terrenos mesmo uma pessoa muito pobre e até miserável pode ter muito maior do que outra pessoa rica ou muito rica. Por exemplo, Abraão: era riquíssimo! e no entanto não tinha apego à sua riqueza. Há os inúmeros casos de Santos e Santas que eram riquíssimos e não tiveram apego aos bens terrenos. Usaram deles para a bondade com os outros, para adquirir sabedoria e exercer o poder e força para promoção do bem.
    4) Nas primeiras comunidades cristãs foi estabelecido a sistema de “comunidade de bens”. Porém era só para quem quisesse, e não era obrigatória a participação. A razão de Ananias e Safira terem sido castigados por São Pedro não foi por não darem os seus bens, mas sim por terem mentido. Esconderam a maior parte e disseram que estavam dando tudo… Ou seja, foi por quererem tapear São Pedro. Ademais, esse sistema de “comunidade” durou pouco. Deu errado, como sempre! Não deu e não dá certo para a sociedade humana em geral. É um fracasso total, como a história demonstrou. É um sistema ótimo só para quem tem uma vocação especial, como as ordens religiosas, em que os membros abandonam tudo (inclusive família) para uma dedicação total ao bem das almas, por amor de Deus.
    5) Também não está inteiramente correto dizer que os talentos dos homens “devem ser usados para o trabalho de satisfazer nossa sobrevivência e não para o acúmulo de bens”. Pelo contrário, todos os talentos (saúde física e psíquica, inteligência, habilidades, etc.) foram dados por Deus para a principal finalidade de cada pessoa aqui na terra, que é: conhecer, amar e servir a Deus. Se forem uados para isto, os homens terão abundância dos bens não só para sua sobrevivência, mas inclusive para a abundância e grande conforto. Pelo contrário, sem o verdadeiro amor de Deus, “em vão levanteis de madrugada”… Quer dizer, todo esforço e todo talento nada valem. O homem não nasceu para se esforçar para conseguir sobreviver. Se ele realmente amar a Deus, mesmo que não tivesse talento nenhum (por absurdo), ele teria tudo para sua sobrevivência, porque aí seu trabalho seria abençoado por Deus.

    Por fim, uma última observação que nos parece oportuna por ser de muita utilidade na vida diária. Nas nossas análises e nos nossos juízos devemos priorizar os aspectos verdadeiros e bons das coisas ou das situações. Só assim é que teremos possibilidade de calcular bem exatamente se aquilo é bom ou ruim, se merece a nossa aprovação ou se, pelo contrário, devemos ser contrários e combater. Por exemplo, ao ver uma pessoa pobre ser muito má (como se vê todos os dias nos meios de comunicação), não devemos nos apressar e concluir que, por isso, “ser pobre é ruim”. Pode haver, deve haver e há, pobres bons… Exemplos: São Francisco de Assis e São Pio X. Se hoje é difícil conhecer algum pobre bom a causa não é a pobreza, mas é devido aos vícios deles mesmos (preguiça, inveja, etc.) e também pela falha daqueles que deveriam ser os seus melhores protetores, as autoridades religiosas.
    Há ricos maus! Mas a maldade não está na riqueza e sim no uso e no abuso dela. Houve muitas pessoas riquíssimas que foram para Céu (santificaram-se) de modo espetacular. Por exemplo, São Luís IX, Rei da França, Santa Joana de Avis, irmã de Dom João II, Rei de Portugal.
    Aliás, uma das bem-aventuranças prometidas aos eleitos, é precisamente “possuireis a terra”! O que quer dizer: “sereis riquíssimos”!
    Então: “quer ser riquíssimo? Procure praticar a virtude e combater os erros próprios e dos outros, dê bom exemplo, etc., que ireis para o céu, e portanto sereis fabulosamente rico!”.
    Que a Santíssima Virgem, Rainha do Céu e da terra, obtenha para nós as graças necessárias para efetivamente amarmos a ordem estabelecida por Deus na criação e assim contemplar a Deus, juntamente com Ela, na bem-aventurança eterna.
    Em Jesus e Maria,
    Marcos Aurélio Vieira
    19.2.2017

Página de comentários
1 3.094 3.095 3.096
  1. Nenhum trackback ainda.

GRÁTIS.
Coloque seu e-mail abaixo e receba orações, conselhos católicos e Mensagens de fé

Pesquisar no site

Veja o que acabamos de publicar

  • Depressão na terceira idade: Confira 6 recomendações que vão ajudar quem está passando pelo problema. Leia Mais +
  • Verdades que o Católico não pode esquecer – O mal em ser indiferente ao belo ou à feiúra Leia Mais +
  • Vídeos de Fé, Orações, Testemunhos e uma Surpresa Especial. Confira o que você pode ganhar com nosso Canal no Youtube. Leia Mais +
  • Um Milagre pouco conhecido de Dom Bosco. Veja! Leia Mais +
  • Descubra aqui o que a Santa Missa pode causar na sua vida! É impressionante. Confira. Leia Mais +

Clique aqui para escrever os seus pedidos e agradecimentos a Santo Expedito

Seu nome em mais de 60 Missas por ano

Clique aqui e saiba mais

Topo ↑

Inclua agora seu nome na Missa de Súplicas ao Coração de Jesus.
Ligue grátis de qualquer lugar do Brasil:

0800 774 7557

Política de Privacidade